Talvez você já tenha reparado que um grande número de histórias segue um determinado padrão. Desde os contos da antiguidade, em vários povos, a figura do herói sempre foi evocada para demonstrar a capacidade do ser humano de se transformar e ir além dos seus limites.

Geralmente o herói ainda nem é visto (ou se vê) como herói. Ele é uma pessoa simples, incomodada, ou não com a vida atual e que, diante de um acaso do universo, é levado ao contato com algo exterior a sua vida até que, quando se percebe, está encarando suas dificuldades e lutando pela sobrevivência ou uma causa maior.

Capa do livro O Poder do Mito, de Joseph Campbell

Capa do livro O Poder do Mito, de Joseph Campbell

Quem compilou estas ideias foi Joseph Campbell, estudioso de mitologia e religião, que em suas viagens coletando histórias, rumores e mitos, reuniu suas descobertas em um livro, chamado O Herói de Mil Faces. Uma famosa entrevista dele, também gerou um outro livro de que gosto muito, O Poder do Mito, uma compilação de sua conversa com o jornalista Bill Moyers.

Momento Nerd: para se ter ideia da importância de Campbell sobre o tema, ele foi procurado por George Lucas, isso mesmo, Tio Lucas, para lhe auxiliar no desenvolvimento de um projeto para o cinema, chamado Star Wars, onde ele tinha um personagem Luke Starkiller Skywalker, e queria que ele seguisse os preceitos da Jornada do Herói.

O ciclo da Jornada do Herói

O ciclo da Jornada do Herói

Sempre me atraiu, além do estudo da história, a nossa busca por compreender por que agimos como agimos, os ritos de passagem, as figuras poderosas e míticas. Hoje se fala muito sobre storytelling e da habilidade de se contar boas histórias para a geração de conteúdo em comunicação e publicidade. Para os aventureiros em literatura, também é um prato cheio sobre esse padrão, que pode lhe auxiliar na criação de narrativas seguindo o desenvolvimento de um personagem.

Em uma exposição recente chamada Do Que é Feito um Herói (What Makes a Hero?), em um dos eventos derivados do TED (um dos melhores eventos de cultura que já vi #recomendo), o educador Matthew Winkler, com a ótima animação por Kirill Yeretsky, conseguiu demonstrar, que Frodo, Harry Potter e Katniss Everdeen tem em comum com os heróis míticos.

De forma simples, Winkler apresenta como os conceitos da Jornada do Herói se organizam de forma simples, em um ciclo – com em um relógio, onde cada hora representa um estágio na evolução do personagem, onde vamos do nosso mundo ordinário, passamos por um ambiente especial, para retornar transformados por isso. O educador ainda aproveita para demonstrar que não apenas em histórias e contos se aplica a Jornada do Herói, mas em nossas vidas também. Confira abaixo a apresentação, em inglês: