Oficina de Clown e a Simplicidade

O palhaço é a figura cômica por excelência. Ele é a mais enlouquecida expressão da comicidade: é tragicamente cômico. Tudo que é alucinante, violento, excêntrico e absurdo é próprio do palhaço. Ele não tem nenhum compromisso com qualquer aparência de realidade. O palhaço é comicidade pura.

Uma figura louca, capaz de provocar gargalhadas ao primeiro olhar, arquétipo, que parece ter vindo de outro planeta tão semelhante ao nosso. Um estado de suspensão e tensão, que em segundos – sabemos de antemão – é o palhaço.

O palhaço e a simplicidade é uma oficina para descobrir, divertir e vivenciar seu interior, sua ingenuidade, suas manias, defeitos e qualidades. Destinado á crianças e adolescentes, que queiram aprender e brincar dentro do universo do palhaço e do riso, além de oferecer um estado de prazer e disponibilidade para o jogo e as relações em cena para a improvisação. Jogar no individual e coletivo.

Justificativa

A intensa troca e pesquisa converge para a criação de Argumentos e Encenação.

O contato com o público “contamina” o processo de criação e desenvolvimento de espetáculo e dos palhaços.

Acredito que a somatória dessas experiências e as trocas colhidas, darão um caráter poético e simples que só a Arte consegue extrair do riso. O Argumento certamente deverá ter como base a presença e o olhar:

Freud coloca que o Riso é um mecanismo poderoso capaz de elaborar e equilibrar as frustrações. Não só no trabalho, mas o riso deve ser praticado no dia a dia. Uma forma de aliviar a rotina e controlar as emoções.

Desenvolvimento e Cronograma

Exercícios e pontos trabalhados: cumplicidade, simplicidade, surpresa, ingenuidade, improvisação, ridículo, energia, gags e vivencias. Jogos individuais, em dupla e em grupo, buscando a criança de cada um. Identificar o tempo cômico de cada um em suas representações. Apreciar e investigar material citado como pesquisa pelo professor e discutir a função do palhaço após demonstração na aula teórica.

Jogos individuais
Jogos em coletivo
Jogos em dupla
– Bate papo sobre a arte do palhaço e comicidade. jogos individuais, em dupla e coletivo que trabalham a entrada, saída e permanência no espaço cênico.
– Treinamento com Gags clássicas. Quedas e claques de palhaçaria, cascatas.
– Jogando com o público, estado e corpo do palhaço, energia e tempo da comedia. Mandamentos do palhaço.
– Vivencia, jogos e exercícios de criação. Finalização com personagem (arquétipo criado).

Bibliografia

  • “O Riso” de Henry Bérgson
  • “Palhaços” de Mario Fernando Bolognesi
  • “O Circo no Brasil” de Fernando Torres
  • “O elogio da Bobagem” de Alice Viveiros de Castro
  • “Circo Nerino” de Roger Avanzi e Verônica Tamaoki
  • Texto “Palhaços, clowns” por Fellini
  • Qual é a Graça Palhaço – Revista Almanaque – texto Hugo Possolo
  • O Palhaço o que é? Teatro da Juventude – Hugo Possolo
  • Palhaço no Hospital – Morgana Masseti – Doutores da Alegria
  • Filme Doutores da Alegria
  • Vídeo Palestra de Ariano Suassuna – Encontro em João Pessoa (PB)

Vídeos de palhaços franceses, italianos, encontros de palhaços nacionais, internacional e mundial; E seleção de cenas de Charles Chaplin, Oliver Hardy e Stan Laurel (O Gordo e o Magro), Jerry Lewis, Mazzaropi, Cantiflas, Buster Keaton, Chaves, Mr. Bean, Os Três Patetas.

Carga Horária

6 horas, podendo ser dividido em 2 dias.

Público Alvo

Pessoas a partir de 15 anos.

Material necessário

Sala, Teatro, auditório, ou espaços alternativos, Cadeiras

Professores

Paulo Barros

Começou sua carreira artística em 1988. Ator, Diretor e Sonoplasta, estudou e se especializou na comédia, participando de vários encontros dentro e fora do Brasil. Sua primeira montagem: “Sete Dias no Inferno”, com direção de André La Torre. Em 2002 mudou-se para Cairo no Egito, representando o Brasil com apresentações de danças brasileiras. Em Cairo fez cursos de Dança Folclórica Egípcia e Dança Moderna. Apresentou seus trabalhos na Argentina, Espanha, Portugal e França, Colômbia. Fez a direção cênica da ópera “O Garatuja” e “A Moreninha”. Com regência do alemão Ernest Mahle. Lecionou teatro em um Colégio da Pueri Domus de 2005 à 2009. Atualmente Leciona no Colégio Elias Zarzur (Anglo) está na Bella Cia., Pompa Cômica e Anjos Voadores.

Walmir Santana

Ator, Diretor. Cursou: Voz – Isabel Setti – 1988, – Grupo Sunil – 1988, – Clown – Paoli Quito – 1993, Clown – Phillipe Gulier – 1994, – Doutores do Riso – 2003-2004. Participou dos trabalhos: A Pequena Sereia / Direção: Isser Koric, Lula, o Filho do Brasil / Direção: Lucy e Luís Carlos Barreto, Rolex / Texto: Mário Bortolotto / Direção: Gabriel Pinheiro, Louca de Chaillot / Direção: Rui Cortez, Como Nossos Pais / Texto: Regina França / Direção: Milton Bicudo, Romeu e Julieta / Direção: Jéferson Gomes, Pinóquio / Direção: Leslie, Ante Câmara / Direção: Rubens Rewald, Alex / Premiado em Recife-PE (curtametragem), A Professora maluquinha / Direção: Renata Sofredini, A Falecida Senhora sua Mãe / Direção: Marcos de , Quadri Matzi / Direção: Paoli Quito, O Rei de Copas / Direção: Paoli , Trair e Coçar é só Começar / Texto: Marcos Caruzo / Direção: Atílio Rico , Tudo de Novo no Front / Texto e Direção: Aimar Labaki, Bar Biturico / Texto: Marcio Barone / Direção: Cristina Trevisan, Rituale / Texto e direção: Daniele Finzi Pasça, Isole Pellegrine / Texto e direção: Danielle Finzi Pasça, Femina / Direção: Edson Santana, Rastro Atrás / Direção: Isabel Setti, Amor Médico / Autor: Molliére / Direção: Hugo de La Vicencio, A Magia da criação / Direção: Wilson Alves, A Farsa do mestre Pathelin / Direção: Petrônio Nascimento. Participou das novelas: Olho da Terra – Record (1996) , Turma do Arrepio – Manchete (1997), Colégio Brasil – SBT (1997), Ô Coitado – SBT (1998). Ministrou oficinas nos espaços: Oficina Mazzaropi , Osla Taubaté, – Teatro X, – Escola Julio Mesquita.

O homem é o único animal que ri, conscientemente, e ao rir vários músculos são trabalhados o que já é um grande exercício físico. E, assim sendo, também já se torna um grande benefício para a saúde sem contar os vários benefícios psicológicos provocados por esta simples ação.

Só por essas razões o riso já faz bem e deve ser praticado.

Quanto ao riso arte, quem tem um profundo conhecimento são os comediantes e os palhaços que são exímios praticantes. Conhecem os mecanismos que provocam o riso e faz deste conhecimento uma grande arte.

Marcio Okabe

Especialista/aprendiz em Prezi que é uma ferramenta inovadora para ministrar aulas e palestras. Atua na área de marketing digital desde 1997. Palestrante, blogueiro e netweaver é um apaixonado por novas tecnologias digitais, comunicação e inovação na educação. Foi Palestrante no TEDxSalvador 2011 onde apresentou o Wikisocial – Sites para ONGs. Seu foco atual é a criação de redes de ensino/aprendizagem, sendo seu principal projeto a www.AcademiaKonfide.com.br.

Vamos lá! comente.

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: